UM LIVRO SOBRE O BRASIL, DE BARBARA DE SOUZA

A missionária Barbara Mosley de Souza, que viveu no Brasil durante 40 anos, acabou de publicar, pela editora Lucas Park books, de St. Louis, Missouri, o livro “When Sleeping Women Awake, Mountains Will Move” –  ou, em tradução livre, “Quando as mulheres adormecidas acordarem, as montanhas se moverão” – em que reproduz, numa escrita fluente e agradável, várias histórias sobre diversas mulheres com as quais conviveu, como “social worker”, em associação, em períodos diferentes, com diversas entidades religiosas, como a Igreja Católica local, a “American Friends Service Comittee ( Quakers ) e a “Global Ministries”, nas cidades do Rio de Janeiro e de São Paulo.

Em 2015 ela retornou aos Estados Unidos onde, agora com 86 anos de idade, mesmo aposentada, continua ativa, militando em campanhas cívicas e humanitárias. Ela é um exemplo de pessoa humana digna de quem tive a oportunidade de me tornar discípulo e amigo, na década de 1980, e com quem mantenho contato até hoje. Acabou de me contar que escreveu chorando cada parte do livro e que quando o editor pediu que cortasse alguns trechos, chorava de novo ao ter que escolher o que deveria cortar.

Sua percepção do povo brasileiro é muito positiva.

“Tive muita sorte” – diz ela –  “na minha vida e agradeço a Deus por meus 40 anos convivendo com pessoas maravilhosas, pobres e ricos, mais solidárias do que as minhas conterrâneas, mais abertas e carinhosas do que elas”

Presentemente, ela  continua atuando “ em grupos que querem ajudar os muitos imigrantes, especialmente mexicanos, que fugiram de pobreza, violência e corrupção para procurar uma vida melhor”. “Os Estados Unidos são uma terra de imigrantes, tal como simbolizado pela Estátua da Liberdade. As pessoas que auxilio, especialmente mexicanas, estão aqui trabalhando nas fazendas, restaurantes, fazendo aquilo que os Americanos não querem fazer.”

A situação dos imigrantes, para ela, assemelha-se, em sua memória, aos tempos da Segunda Guerra Mundial, quando ela era uma criança de classe média alta, mas conseguia sentir o sofrimento das famílias alemãs que aqui viviam naquela época.

Sou um admirador incondicional e entusiasmado da obra da Barbara. Ressalto a sabedoria da proposição expressa no título do seu livro, que exalta a força da fé, capaz de remover montanhas. Quem, como eu, assistiu, pela televisão, a imensa marcha recente das mulheres americanas, em todos os recantos desse enorme país, há de ter percebido a enérgica mensagem daquelas manifestantes, de esperança no mundo futuro, e vislumbrado a força transformadora que provirá do despertar inevitável das mulheres ainda adormecidas…


1 comentário até agora

  1. Judy Brown maio 20, 2017 2:03 pm

    Só filha da Dona Barbara….e também só uma admiradora! Com 86 anos ela continua com a mesma energia. Agora ela pode usar o livro para continuar o trabalho e essas mensagens importantes. Agradeço você por ter escrito esse blog.

Deixe um comentário

Seu e-mail nunca será publicado.