QUEBRANDO O PAÍS

O falido “sistema” da dívida com correção monetária prefere continuar atuando em benefício da sua clientela a ser reestruturado, tal como evidenciam duas notícias da primeira página do jornal Valor Econômico: a) Dinâmica da dívida é avassaladora, diz Armínio Fraga; b) os recursos dos bancos, que não vão para o crédito, são aplicados em Títulos do Tesouro, que rende a Selic, ou em operações compromissadas.

Enquanto isso campeiam o desemprego e a recessão. É preciso coragem política para fazer alguma coisa para nos livrarmos das amarras que nos afundam cada vez mais a cada dia, coisa que o governo Temer, acuado pelas pressões interesseiras ( mas irracionais  ) do mercado e pela politiquice, evidentemente não tem.


1 comentário até agora

  1. letacio dezembro 6, 2016 12:23 pm

    Até o mercado, agora, heterodoxamente, está pleitando a queda mais célere das taxas de juros.Sinal do tempos !

Deixe um comentário

Seu e-mail nunca será publicado.